Fale conosco pelo WhatsApp

Plasmage

Médica tratando pálpebra de paciente
Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

Tecnologia emite energia de plasma fracionado que trata flacidez nas pálpebras e suaviza rugas, promovendo um efeito de blefaroplastia sem cortes

Os olhos destacam-se como uma das áreas mais marcantes do rosto, contribuindo diretamente para a expressão facial, comunicação e aparência geral do indivíduo. Esta região também se destaca por ser uma das mais afetadas pelo processo natural de envelhecimento, uma vez que a pele das pálpebras é muito fina e pode desenvolver flacidez e acúmulo de gordura.

O Plasmage é uma tecnologia que foi desenvolvida justamente para tratar esses sinais de envelhecimento, permitindo que o paciente melhore a aparência das pálpebras sem se submeter a uma blefaroplastia. Trata-se de uma alternativa eficiente e confortável para combater a flacidez da região dos olhos, sem que seja necessário se submeter a um procedimento invasivo.

O que é o Plasmage?

O Plasmage é um equipamento moderno que aplica um jato de plasma fracionado que induz pontos de sublimação na pele, levando a uma retração pontual do tecido da região e promovendo a atenuação de vincos e linhas finas. Além disso, o tratamento estimula a produção de colágeno e elastina, duas estruturas essenciais para a manutenção da firmeza e elasticidade da pele.

O dispositivo foi projetado especificamente para tratar áreas delicadas, justamente o caso das pálpebras e da região dos olhos como um todo. O Plasmage promove o aumento da temperatura na região em que é aplicado, resultando na retração controlada da pele e efeito lifting. Tudo isso é feito com o aparelho próximo da pele, sem a necessidade de tocá-la de maneira direta.

Como funciona o tratamento?

O jato de plasma gerado pelo aparelho Plasmage pode ser disparado a partir de diferentes ponteiras que, quando são aproximadas da superfície cutânea, levam a um processo de sublimação que elimina pontos milimétricos de pele em excesso. Isso faz com que o tecido cutâneo se retraia, reduzindo a flacidez da pele presente na região tratada e suavizando linhas finas.

Esse processo faz com que surjam pequenas marcas superficiais na área, de forma controlada, que desaparecem após um curto período de recuperação. O tratamento é minimamente invasivo, sendo capaz de eliminar o excesso de pele e promover efeito lifting sem a necessidade de se submeter a uma intervenção cirúrgica. A tecnologia utilizada pelo Plasmage foi projetada especificamente para tratar áreas delicadas e não afeta o globo ocular ou as camadas mais profundas da pele.

Quando o uso do Plasmage é indicado?

Indicado para tratar flacidez leve a moderada, o uso do Plasmage é uma excelente alternativa para pacientes que desejam melhorar a aparência das pálpebras sem se submeter à cirurgia de blefaroplastia. O dispositivo também pode ser utilizado para remoção de verrugas, tratamento de manchas, melhora das cicatrizes de acne, redução de estrias e suavização de rugas e marcas de expressão.

Além disso, o Plasmage pode ser indicado para tratamento de:

  • Queloides (cicatrizes que se caracterizam pela produção exagerada de colágeno);
  • Angiomas (tumor benigno causado pelo acúmulo anormal de vasos sanguíneos na pele);
  • Xantelasmas (bolsa de gordura na região das pálpebras ou na bolsa dos olhos);
  • Lentigos (pigmentação da pele semelhante às sardas, caracterizada pelo surgimento de manchas acastanhadas);
  • Discromias (alterações na coloração da pele);
  • Queratoses (produção excessiva de queratina, que se acumula nos folículos pilosos e forma manchas avermelhadas ou esbranquiçadas);

Contraindicações ao tratamento

O Plasmage é um tratamento ideal para peles mais claras e sensíveis ao sol, podendo ser indicado também para outros tipos de pele caso o dermatologista identifique que o procedimento é capaz de trazer benefícios ao paciente. Em geral, o tratamento não é recomendado para peles recentemente bronzeadas, com vitiligo ou com tatuagem na região a ser tratada.

Outras contraindicações para a aplicação do Plasmage são nos casos de pacientes grávidas, com problemas de pele ativos ou que possuem peças de metal pelo corpo.

Principais benefícios do Plasmage

O Plasmage é uma tecnologia muito eficaz para o tratamento das pálpebras caídas, destacando-se por ser minimamente invasivo e possibilitar rápida recuperação do paciente. Outros importantes benefícios deste dispositivo são:

  • Sem sangramentos ou hematomas;
  • Não deixa cicatriz;
  • Menor custo em comparação à cirurgia de blefaroplastia;
  • Resultados duradouros e visíveis em poucas semanas;
  • Mínimo desconforto ao paciente;
  • Não envolve agulhas;
  • Sessões rápidas, durando menos de 30 minutos.

Cuidados antes e depois do Plasmage

Assim como ocorre na cirurgia de blefaroplastia, antes da aplicação do Plasmage o profissional responsável pelo tratamento faz uma marcação nas pálpebras do paciente, de modo a delimitar a área que será submetida ao procedimento. Uma pomada anestésica é administrada na região, de modo a garantir maior conforto do paciente ao longo do tratamento — que é feito no consultório e demora cerca de 60 minutos para ser realizado.

O período de recuperação da pele é de aproximadamente 10 dias, sendo considerado normal que a região fique um pouco inchada e marcada. A aplicação de compressas geladas e o uso de medicamentos podem ser cuidados recomendados pelo especialista, dependendo das necessidades e características do paciente. Em todos os casos, é necessário evitar a exposição solar para evitar manchas.

Também é recomendado que a paciente não utilize maquiagem e cosméticos nos primeiros 10 dias ou até reavaliação do especialista. Por causa do processo de sublimação promovido pelo Plasmage, é considerado normal que a região forme “casquinhas” marrons que caem naturalmente após alguns dias. Os resultados podem ser sentidos logo após o procedimento, sendo permanentes.

Para saber mais a respeito do Plasmage e descobrir se este procedimento é indicado para você, entre em contato e agende uma consulta com a Dra. Claudia Savassi.

Fontes:

Dra. Claudia Savassi